Notícias

Bolsonaro escolhe pastor para a Comissão de Ética

 

Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, passa a integrar colegiado que investiga ministros e servidores.

 

Michael Caceres

em

 

 

 

 

O reverendo Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, vai integrar a Comissão de Ética Pública da Presidência. A escolha partiu do presidente da República, Jair Bolsonaro, para o colegiado que é responsável por investigar ministros e servidores do governo. O evangélico passa a ter mandato de três anos.

A comissão é formada por sete advogados e tem ainda seis indicados pelo ex-presidente Michel Temer. Quando ainda tinha maioria formada por indicações da ex-presidente Dilma Rousseff, o colegiado abriu processo contra 14 dos 28 ministros de Temer. O ministros da Casa Civil demitiu 16 dos 17 servidores que trabalhavam na Comissão.

Atualmente a Comissão de Ética é presidida pelo advogado Paulo Henrique Lucon, que vem atuando para destravar ou arquivar processos que estavam parados desde 2016.

Por motivos de sigilo, os processos em tramitação não são informados pela comissão. Procurado pelo Estadão, Milton Ribeiro não quis comentar a nomeação para o cargo.

 

O reverendo Milton Ribeiro, da Igreja Presbiteriana de Santos, vai integrar a Comissão de Ética Pública da Presidência. A escolha partiu do presidente da República, Jair Bolsonaro, para o colegiado que é responsável por investigar ministros e servidores do governo. O evangélico passa a ter mandato de três anos.

A comissão é formada por sete advogados e tem ainda seis indicados pelo ex-presidente Michel Temer. Quando ainda tinha maioria formada por indicações da ex-presidente Dilma Rousseff, o colegiado abriu processo contra 14 dos 28 ministros de Temer. O ministros da Casa Civil demitiu 16 dos 17 servidores que trabalhavam na Comissão.

Atualmente a Comissão de Ética é presidida pelo advogado Paulo Henrique Lucon, que vem atuando para destravar ou arquivar processos que estavam parados desde 2016.

Por motivos de sigilo, os processos em tramitação não são informados pela comissão. Procurado pelo Estadão, Milton Ribeiro não quis comentar a nomeação para o cargo.

 

Brasil terá maioria evangélica em 2020, segundo estatísticas

Brasil terá maioria evangélica em 2020, segundo estatísticas

 

Segundo o último Censo do IBGE, o número de evangélicos no país cresceu 61% em dez anos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO VALOR ECONÔMICO E GACETA CRISTIANA

ATUALIZADO: QUINTA-FEIRA, 1 MARÇO DE 2018 AS 3:58

Havia, em 2010, 42.310.000 evangélicos no Brasil, 22,2% da população. (Foto: Reprodução).

O último Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) - de 2010 - concluiu que a perda de fiéis católicos, que era cerca de 1%, aumentou acentuadamente, enquanto o aumento notável de evangélicos continuou a crescer bastante.

O número de cristãos evangélicos no país cresceu 61% em 10 anos. Havia, em 2010, 42.310.000 evangélicos no Brasil, 22,2% da população.

Até 2020, não haverá um novo censo oficial, embora existam estudos periódicos que servem para mostrar tendências estatísticas. Com base em um desses estudos, José Eustaquio Diniz Alves, demógrafo da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, afirma que essa tendência é mantida e que "é possível que em 10 ou 15 anos o Brasil não tenha mais a maioria da população católica".

A Faculdade de Teologia da PUC-SP, considera que a prática do catolicismo no Brasil é ainda mais escassa do que o número de fiéis e que não atinge 10% dos batizados na Igreja Católica que assiduamente frequentam as missas no Domingo.

Alguns dados de outras investigações recentes também validam o crescimento evangélico, especialmente nas áreas metropolitanas das grandes cidades. Por exemplo, na periferia de São Paulo, haveria 52 evangélicos para cada 100 católicos, enquanto no Rio de Janeiro eles seriam 71 para cada 100.

Mudança

Em 2015, o Pew Institute realizou um estudo do panorama das crenças na América Latina com amostragem em 18 países do continente, incluindo o Brasil. Nesse estudo, 20% dos brasileiros eram católicos, mas haviam deixado a prática. A busca de uma "melhor relação com Deus" foi para 81% da causa da mudança de crenças. Para 69%, era o modo ou o estilo de viver a fé em sua nova igreja e, em 60%, a "ênfase mais apropriada" em questões éticas.

O professor Campos Machado, do Núcleo de Religião, Gênero, Ação Social e Política, da Escola de Serviço Social da UFRJ, estuda o movimento evangélico no país. Segundo ele, "os evangélicos vão para onde o Estado não atende às necessidades básicas daqueles que mais precisam". Além disso, ele acredita que pastores e líderes evangélicos estão mais próximos do povo do que a liderança da Igreja Católica.

O fato é que a liderança das igrejas evangélicas emerge das próprias pessoas é também um índice de suas raízes locais. "Quantos sacerdotes católicos ou bispos negros existem hoje? Muito poucos. Por outro lado, há pastores negros e também bispos", finaliza.

 

Organização de policiais cristãos compartilha o Evangelho em iniciativa para pôr fim à corrupção

O combate à corrupção se dá de diversas formas, mas um grupo de mais de cinco mil policiais cristãos mexicanos decidiu que, além do rigor da lei, fariam “patrulhas” preventivas, compartilhando seus testemunhos de vida para convencer as pessoas a agirem de forma correta.

A Polícia Celestial, uma organização de policiais cristãos no México, tem movimentado os 5.200 policiais afiliados, incluindo agentes federais e militares, para divulgar a mensagem de esperança contida no Evangelho.

A estratégia foi adotada como reação às críticas que as polícias do país vem sofrendo devido à alta da violência e às constantes denúncias de corrupção dentre os oficiais. Dessa forma, a entidade Polícia Celestial, aposta na divulgação de testemunhos entre colegas de farda para acabar com a corrupção.

Segundo informações da AFP, os policiais envolvidos fazem “operações celestiais”, que são visitas a batalhões em todo o México, falando sobre suas histórias de contato com a corrupção e a mudança de vida.

Leonel Guillermoprieto, ex-policial federal, é o principal líder da Polícia Celestial. Ele mesmo relatou uma experiência de suborno pela qual passou: “‘Quer estes dólares ou quer balas? [, me perguntaram]’. Não tenho nenhum tiro no corpo; peguei os dólares”, relembrou, narrando um episódio acontecido anos atrás.

A propina aceita terminou em sua prisão e, consequentemente, sua expusão da Polícia Federal. “Comecei a ir para a América Central e comprar droga para enviar à Europa; comecei a juntar muito dinheiro”, disse, narrando o episódio anterior à sua prisão na Guatemala.

Essa experiência serviu para que ele conhecesse um grupo de cristãos condenados, e assim, ouvisse a Palavra de Deus. Em 22 de setembro de 2007 ele se entregou a Jesus Cristo, e desde então tem como objetivo compartilhar essa mensagem.

A condenação de Leonel poderia render décadas na prisão, mas ele acabou passando apenas 15 meses na cadeia. “Quem me tirou da prisão foi Deus, para servi-lo”, disse, contando que no momento de seu depoimento, o procurador passou a defendê-lo.

Os testemunhos semelhantes ao de Leonel são muitos, e a intenção da entidade Polícia Celestial é que, conhecendo essas histórias, outros agentes corrompidos abandonem as práticas e se aproximem do Evangelho: “Há pessoas que dizem ‘acreditem que com uma Bíblia poderão fazer tudo’, e não estamos dizendo para não usarem suas armas, mas para usarem como manda a lei”, afirmou.

“Aceitamos esse desafio porque sabemos que não estamos sozinhos. Sabemos que por trás de nós há alguém importante, que é Jesus”, afirmou Eduardo Aguilera, chefe da Polícia de Tlalnepantla e membro da Polícia Celestial.

Leonel garante que sabe separar a pregação das obrigações dos policiais, e compartilha suas histórias em dez minutos, aproveitando o tempo da troca de turno: “Fazemos isso respeitando o Estado laico. Trata-se de a Igreja não intervir nos assuntos do governo e do Estado dar a chance aos funcionários de terem ou não uma religião”, pontuou o ex-policial.

Além disso, há policiais que não se agradam da iniciativa: “Muitos companheiros, distantes de acreditar em Deus, estão com satanás, rendendo cultos que oferecem sacrifícios e bruxaria […] Se nos matarem fazendo o que Deus nos disse para fazer, morreremos felizes”, concluiu.

Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br/policiais-cristaos-compartilham-evangelho-fim-corrupcao-91393.html

Twitter