Pastor Dirigente da Igreja Pentecostal Palavra da Fé

Não celebramos natal, celebramos Tabernáculos! - Parte Final

Estamos estudando sobre a origem do Natal, sua base pagã, e vendo, à luz da Bíblia, que os símbolos utilizados para comemorar o Natal são também de origem pagã. Nosso objetivo é divulgar o esclarecimento, a luz que recebemos acerca de algumas práticas do meio cristão que estão ainda presas ao paganismo, atitudes que estão inseridas em nossa cultura de tal forma que não questionamos sua origem ou razão de existir, praticando-as sem reflexão alguma. Ao estudar sobre este assunto há dois níveis de reação: RESISTÊNCIA OU QUEBRANTAMENTO. Os dois comportamentos são normais. O importante é você saber que não intencionamos causar celeuma, mas ajudá-lo a entender melhor essa visão que abraçamos e que tem fundamento bíblico e histórico.

A ORIGEM E O SIGNIFICADO DOS SÍMBOLOS DO NATAL

- ÁRVORES COMO ALTARES PAGÃOS. A árvore de Natal ressuscita um deus pagão chamado Ninrode e faz reviver Talmuz. No ocultismo, ou nas religiões orientais, os espíritos dos antepassados são invocados por meio de uma árvore. A árvore de Natal é um ponto de contato que os deuses gostam. Os ocultistas creem que as pessoas são energizadas através das árvores. Nenhum crente coloca conscientemente em sua casa um trono a Baal. O diabo trabalha com ocultismo, por isso muitas de suas insinuações são encobertas, ocultas. A Enciclopédia Barsa, vol.11, pg. 274, diz: “A árvore de Natal é de origem germânica, datando do tempo de São Bonifácio. Foi adotada para substituir os sacrifícios ao carvalho sagrado de Odin, adorando-se uma árvore, em homenagem ao Deus-menino”.

A árvore de Natal é um símbolo de consagração, é uma fábula de chamamento de adoração a deuses babilônicos. Leia com muita atenção o texto de Jeremias 10:3,4: “Porque os costumes dos povos são vaidade; pois cortam do bosque um madeiro, obra das mãos de um artífice, com machado; com prata e com ouro o enfeitam, com pregos e martelo o fixam para que não oscile.” O restante do capítulo mostra a dura exortação que Deus dá ao Seu povo, porque trouxe para dentro de casa um costume de povo pagão. Mais luz sobre o assunto você encontra em: Dt 12:2,3; I Rs 14:22,23; II Rs 17:9,10; Is 57:4,5; Dt 16:21; Os 4:13.

- VELAS. Acender velas é um ritual pagão dedicado aos deuses ancestrais; a vela acendida está fazendo renascer o ritual dos solstícios, mantendo vivo o deus sol. Dentro das escolas que estudam o paganismo, as velas são chamadas de demônios; é a simbologia de manter os demônios vivos. As velas não têm relação alguma com as luzes do candelabro judaico – Menorah. As velas consagradas a demônios são de base perigosa. Estamos nos referindo às velas dos rituais profanos. Não devemos generalizar ou cair no fanatismo. Você não precisa deixar de usar velas, quando necessário, para iluminar ambientes ou como decoração.

- GUIRLANDAS. São memoriais de consagração. Podem ser entendidas como enfeites, oferendas, ofertas para funerais, celebração memorial aos deuses, à vitalidade do mundo vegetal, celebração nos esportes, celebração das vítimas que eram sacrificadas aos deuses pagãos. Para tudo isso, serviam as guirlandas. Essas coroas verdes colocadas nas portas das casas também significam um adorno de chamamento e legalidade de entrada de deuses; ficam nas portas porque são as boas-vindas, lugar de entrada. São ainda um símbolo relacionado ao deus Apolo, trazem honra a Zeus, homenageiam a Demeter, que em latim é Ceres, ou seja, Semírames, a mãe de Tamuz, esposa de Ninrode. Era um cerimonial oferecido a Ninrode, Semírames e Tamuz. Reproduz ainda a ideia da virgem que dará à luz um filho e essa virgem se apresenta com a guirlanda na cabeça e a espiga de milho na mão, dando sinal de fertilidade. No Egito, aparece como Ísis e Osíris; na Índia, como Isva e Isvra; na Ásia, como Cibele e Dionísio; em Roma, como Fortuna e Júpiter; na Grécia, como Irene e Plutos; na Babilônia, como Semírames e Ninrode. Todos eles exigiam as guirlandas.

Não há uma só conotação em relação ao nascimento de Jesus. A Bíblia nunca anunciou que Jesus pede guirlandas, ou que tenha recebido guirlandas no seu nascimento, porque em Israel já era sabido que isso fazia parte de um ritual pagão. Só existe uma guirlanda na Bíblia e esta foi feita por Roma, para colocar na cabeça de Jesus no dia da Sua morte. Não há outra guirlanda, a não ser a de espinhos, um símbolo de escárnio.

- PRESÉPIO. O presépio é um altar a Baal, consagrado desde a Antiguidade babilônica. É um estímulo à idolatria. São Francisco, no séc. XVIII, enquanto um dos líderes da Igreja Católica, instituiu o presépio para lembrar as festividades natalinas, na verdade, uma convocação que leva o povo a ficar com a fé limitada ao material, ao que é palpável. As figuras utilizadas são intencionais. Por esses e outros motivos, temos que tomar posições. O presépio é um altar consagrado, é um incentivo à idolatria, é uma visão pagã. Seja livre!! Fuja da idolatria; assim diz a Palavra (I Coríntios 10:14,15 / Gálatas 5:19-21). Vamos resgatar as nossas origens cristãs!

- PAPAI NOEL. Ele não é um santo; é um ídolo. A igreja só tem um Pai, que é Deus. Não podemos receber Noel no lugar de Deus! A Enciclopédia Britânica, 11ª edição, vol. 19, pg. 648-649 diz: “São Nicolau, Bispo Católico do séc. V; Bispo de Mira, santo venerado pelos gregos e latinos em Dezembro... conta-se a lenda segundo a qual presenteava ocultamente três filhas de um homem muito pobre... deu origem ao costume de dar presentes em secreto na véspera do dia de São Nicolau (6 de dezembro), data que depois foi transferida para o Natal”.

Daí a associação do Natal a São Nicolau. Essa figura foi canonizada para roubar a adoração. Qualquer ídolo está relacionado à vaidade. O objetivo principal das trevas é arrancar a nossa visão de Cristo e trazer figuras de substituição, fazer crescer no coração do povo uma visão errada do que é o Reino de Deus. Há uma mistura do hedonismo com idolatria. O hedonismo é aquilo que está ligado ao glutônico, à sedução ambiental, àquilo que traz prazer pela indumentária. Como alguém pode aceitar uma história que fala sobre um velhinho que sai em uma noite só, por todo o mundo, de casa em casa, entregando presentes? E se você sabe que Papai Noel não existe, que é só brincadeirinha, por que faz tudo o que exige o ritual do Natal? Por que ilude seus filhos com essa história? Por que permite que uma mentira se torne realidade na sua casa? “Como o louco que atira tições, flechas, e morte, assim é o homem que engana o seu próximo, e diz: fiz isso por brincadeira.” (Provérbios 26:18,19)

CARACTERÍSTICAS DA FESTA DO SOLSTÍCIO E A SEMELHANÇA COM A CELEBRAÇÃO DO NATAL

- TROCA DE PRESENTES. O ritual nórdico exigia que eles fossem para as montanhas de madrugada e lá chorassem em sacrifícios. Esperavam os primeiros raios de sol da manhã e entregavam presentes uns aos outros, em adoração, dizendo: “Que você jamais esqueça dos deuses sobre nós”. O presente significa eternizar o pacto, trazer a ‘bênção’ dos deuses. Tertuliano, teólogo católico, disse que não podia compactuar com essa mentira, o Sol nunca pode ser deus, porque o Deus dos cristãos foi aquele que criou o Sol.

- GLUTONARIA. Um grande banquete deveria ser feito. A glutonaria era tão estimulada nessas festas que já existia um lugar reservado para vomitar. As pessoas comiam, comiam, vomitavam e voltavam a comer. O que acontece hoje? Todas as famílias têm que fazer uma ceia. E por que comer e beber? Porque é sinal de aliança. O banquete do solstício tinha início à meia-noite. A que horas começa a ceia do Natal? Meia-noite também.

- EXALTAÇÃO A DEUSES. Tudo tem um propósito, e as festas pagãs têm o objetivo de adorar deuses falsos. Hoje, no Natal, qual é o deus que aparece? Um deus impotente, um deus menino. Só que Jesus cresceu, morreu, ressuscitou e voltará para buscar Sua noiva. Quem está olhando para baixo, contemplando um menino, estará distraído e não perceberá a volta do Senhor Jesus. É claro que estamos falando de um retrato espiritual.

- CULTO À SENSUALIDADE. A festa dos solstícios tinha a intenção de mostrar a sensualidade dos seus participantes, chamar a atenção pela beleza exposta. As vitrines da cidade hoje não oferecem uma roupa digna de uma festa “religiosa”. Por quê? Porque o ritual da festa exige sensualidade. Infelizmente, esse contexto se faz presente entre nós.

- CONSAGRAÇÃO DA ORGIA LIBERADA DENTRO DO TEMPLO. O lema era: carne liberada – sarkós – a sensualidade já tinha sido efetivada e, no altar consagrado aos deuses, eram realizadas orgias sexuais. Eles diziam que era um nível de consagração à fertilidade. A deusa da fertilidade era a deusa casada com o sol, um casamento entre Íris e Osíris. Era a liberação da carne em cem por cento. O princípio era agir pelo curso do desejo, fazer o que quiser. Sabendo que a humanidade iria absorver isso, o paganismo romano casou Jesus com uma imoralidade dessas.

A ideia central do paganismo era incutir na cabeça dos fiéis a ideia de que Jesus era esse sol que tinha chegado. Tertuliano, o teólogo católico, levantou-se no segundo século e disse: Jesus não é deus sol, e o sol não é o deus dos cristãos. O Deus dos cristãos criou o sol e a criatura; e a criação não tem poder sobre o Criador. Por isso, protestamos: o Natal está casado com o paganismo. Você também pode protestar contra isso.

Augustinho disse: “Claramente afirmo que esse comportamento é herético. Os cristãos não têm a ver com o deus sol e a festa dos solstícios”. Orígenes disse que “Jesus não é Faraó para receber honra natalícia.” Cristo, como deus sol é um absurdo. Ele é Criador! “Ele (Jesus) é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda criação; pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas; nele tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, a Igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que nele residisse toda plenitude.” (Colossenses 1:15-19). Jesus criou todas as coisas, inclusive o sol. Ele é o Sol da Justiça, não o deus sol.

Vamos continuar bradando que a Igreja de Cristo precisa voltar para Jerusalém, a verdadeira origem do Cristianismo e da nossa fé. É preciso romper com o paganismo, mas muitos ainda têm resistência, porque preferem ficar com as tradições humanas, esquecendo que Jesus disse que pela nossa tradição invalidamos os mandamentos de Deus (Mateus 15:6). Que o Senhor nos dê sabedoria, força e fé para continuarmos caminhando na luz que temos recebido, trilhando o caminho dos Princípios Bíblicos e celebrando somente as Festas do Senhor!

 

http://www.mir12.com.br/br/2018/estudos/celulas/1095-nao-celebramos-natal-celebramos-tabernaculos-partefinal

 

Ap Rrene Terra Nova

Não celebramos natal, celebramos Tabernáculos! - Parte Final

"O discurso marxista é contrário à Bíblia e seus valores", diz doutor em Sociologia

 

"O discurso marxista é contrário à Bíblia e seus valores", diz doutor em Sociologia

O doutor em Sociologia Thadeu Silva explica que enquanto o cristianismo prega a unidade, o marxismo incentiva a luta entre classes.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO NOTÍCIAS ADVENTISTAS

ATUALIZADO: QUARTA-FEIRA, 20 JUNHO DE 2018 AS 4:05

 

O marxismo e cristianismo são conceitos incompatíveis e impossíveis de serem conciliados.


O doutor em Sociologia Thadeu Silva explicou as divergências ideológicas entre o cristianismo e o marxismo, conjunto de concepções elaboradas por Karl Marx. Para ele, os dois não têm qualquer compatibilidade, provando que um cristão não deve se identificar com as pautas de Marx.

“Cristianismo e marxismo são duas coisas opostas entre si, impossíveis de serem conciliadas. As diferenças começam pela criação: a Bíblia mostra que Deus é o Criador do homem, ao passo que, para Marx, foi o homem quem construiu a ideia de Deus”, diz Thadeu.

“Para Deus, o ser humano é a menina dos Seus olhos, a luz do mundo e o sal da terra, reparador de brechas e restaurador de veredas, membro da geração eleita, do sacerdócio real, da nação santa, do povo adquirido, testemunha do Senhor, enquanto que, para Marx, o homem é o autor da revolução contra o capitalismo”, ressaltou.

Thadeu ainda explica sobre o mandamento cristão. “De acordo com a Palavra de Deus, os pensamentos geram as ações, o que é o perfeito e oposto ao que Marx diz. O mandamento de Deus é amar os inimigos; o de Marx é destruí-lo”, coloca.

“Deus diz que todos os males foram causados pelo pecado; Marx diz que o que causa o mal são as estruturas injustas da sociedade. Deus explica as ações humanas de acordo com a obediência dos homens à Sua Palavra; Marx explica as ações pelo dinheiro e pelo poder”, ressalta.

Interesses opostos

Thadeu explica os interesses do cristianismo. “O interesse dos dois é completamente oposto: o cristianismo se interessa pela salvação do ser humano da condição de pecado, prega o Evangelho, anuncia a volta de Jesus, chama atenção para Deus como a pessoa mais importante da nossa vida, deseja viver na Cidade Santa com Cristo e os salvos e baseia sua vida na Palavra de Deus”.

Para esclarecer, ele mostra os interesses de Marx. “O marxismo se interessa pelo poder, em tomá-lo das mãos da burguesia e passá-lo para os proletários; seu maior desejo é uma sociedade sem classes neste mundo e baseia sua vida pela vontade”. O doutor em Sociologia questiona: “Como poderiam ser compatíveis?”

Luta de Classes

Para Thadeu, o conceito de luta de classes de Marx (que reverbera nos discursos do “patrono da educação brasileira”, Paulo Freire e do criador do Teatro do Oprimido, Augusto Boal) prejudicou a sociedade. “A luta de classes é um dos grandes temas de Marx e, também, um dos que mais dano causou à humanidade”.

Ele explica: “Por meio dele, alega que o desenvolvimento da humanidade teria acontecido graças à briga infindável entre quem tem dinheiro (dominadores) e quem tem força de trabalho (dominados) e ao crescimento das forças produtivas”.

“A aparente veracidade dessa alegação separa as pessoas em dois grupos opostos, mediadas por um ódio crescente à medida que a vida se torna mais difícil. O tom de justiça e de emancipação da obra de Marx continua encantando gente em muitos lugares, especialmente em países cujas populações ainda possuem baixa escolaridade, como os da América Latina e do antigo bloco soviético”.

 

Em Deus Me Refugio

Em Deus Me Refugio

“SENHOR, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração.”

(Salmos 90.1)

Ao ler esse salmo hoje pela manhã, me emocione e me encantei muito com essas palavras: “Tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração”. Na verdade, esse salmo é uma oração feita pela maior figura do Antigo Testamento: MOISÉS! Ele aponta para aquele que foi, que é, e sempre será a proteção do povo de Deus: o Senhor. De geração em geração, Deus é o sustento, a provisão e o refúgio daqueles que o amam. Assim foi durante toda história dos hebreus: de Abraão à Moisés, de Josué aos juízes, dos reis aos profetas. Ele, e nada além Dele, é a rocha onde seu povo descansou. Entretanto, todas essas gerações se foram. Passaram! Contudo, nenhum deles se foi sem experimentar a fidelidade de Deus e seus grandes livramentos. Agora é chegado o tempo da nossa geração!

Querido irmão em Cristo, você que atravessa nessa hora de escuridão o vale da sombra e da morte; que sente o sussurro do inimigo, querendo te devorar. Peço que se abrigue no Senhor. Não tente uma forma alternativa de escape. Não funcionará! Corra para os braços do Senhor, descanse em sua bondade e, lembre-se, que ele fez um pacto com todas as gerações. Nesse pacto ele prometeu guardar e livrar seu povo de todos os males. Não precisa mais temer, olhe para cima, para o alto e espere confiantemente o socorro do Senhor, pois nessa última geração o Senhor também tem sido nosso refúgio!

Paulo Junior

Em Deus Me Refugio

O cristão e a música mundana

O cristão e a música mundana

 

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. Fp 4:8

 

por Hélio Roberto

O cristão e a música mundana

Recentemente, participei de um evento que refletia sobre o que é e a importância da cosmovisão cristã, ou seja, da visão de mundo sob a ótica do Cristianismo. Foram dias fenomenais! Cada palestra mais instigante e edificante do que a outra, e assim se transcorreu a semana.

Entretanto, no último dia, todos os participantes se reuniram para uma espécie de confraternização em um local que eu, na minha ingenuidade, achei que seria apenas uma lanchonete. Ao chegar ao local, percebi que era um barzinho com música ao vivo. Como havia algumas pessoas que estavam de carona comigo, resolvi sentar, comer e então ir embora.

Não obstante o incômodo que o local trazia, pensei que estar junto com os irmãos faria com que o ambiente ficasse mais agradável, afinal, ali estavam pessoas altamente qualificadas e que haviam se comprometido em mudar o mundo, levando os princípios e valores de Cristo!

De repente, o cantor começa a cantar uma música da banda Paralamas do Sucesso. Nessa hora, a maioria esmagadora da mesa (havia cerca de 50 pessoas) começou a cantar, bater palmas e dançar, em sincronia, de um lado para o outro em seus lugares. Olhos fechados, rostos sorridentes e a sintonia das palmas em consonância com a malfadada música era a fotografia do momento.

Irmãos, nesse momento tive vontade de chorar! Meus olhos se encheram de lágrimas. Meu coração ficou apertado. Comecei a falar com Deus dizendo: “Senhor, são essas pessoas que vão mudar o mundo? Eles se esqueceram de que ser amigo do mundo é ser inimigo de Deus?” Continuei falando com o Senhor: “Será que todos aqui estão certos e eu é que estou errado?” Então o Senhor trouxe ao meu coração, instantaneamente, a Sua Palavra: “(…) Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” Tg 4:4

Após esse evento, pude perceber que o liberalismo e a máxima do “tem nada a ver” têm infectado a Igreja e o povo de Deus. É comum se utilizar a declaração de que a Bíblia não nos proíbe nada, sob a perspectiva de que tudo me é lícito, e que imputar proibições seria, na verdade, uma prática legalista. Veja, essa é, na verdade, uma declaração falaciosa. Legalismo, na verdade, é utilizar a Palavra de Deus para pecar. Legalismo é isolar um versículo da Bíblia, e porque este diz, dentro de um contexto, que todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convêm (1 Co 6:12), esquecer todo o restante da Bíblia. O verdadeiro legalismo é utilizar as Escrituras como meio de justificação para a prática do pecado!

Entrando mais a fundo no cerne desse artigo, têm surgido, de forma reiterada, notícia pós notícia de que cantores do mundo gospel estão entoando músicas seculares, ou até mesmo frequentando shows da mesma espécie. Desde Kleber Lucas, Thales Roberto, Perlla, Priscila Alcântara e agora o vocalista do Oficina G3, Mauro Henrique, as notícias não param de surgir.

O pior é que essa gente tem arrastado um caminhão de incautos. São líderes sem compromisso verdadeiro com Deus, amantes mais dos seus prazeres do que da presença do Altíssimo. Estamos vivendo tempos em que o diabo tem entrado nas Igrejas, tomando a adoração para si; tempos em que não há mais adoração, e sim desejos, pecados, lucros exacerbados e autopromoção.

Daria para escrever um artigo sobre cada um desses “crentes” citados acima, mas quero me ater apenas à justificava do último deles, Mauro Henrique. Ao ser questionado sobre o fato de ter cantado Beatles em determinado show, a sua resposta foi a seguinte: “Essas oportunidades fazem com que as pessoas que têm algum preconceito da religião percebam que não somos bitolados. Tenho uma relação boa com vários artistas seculares. Música para mim, é música1.E aí está o motivo pelo qual a simbiose de cantores evangélicos com o mundanismo tem se tornado cada vez mais frequente.

O cerne da questão, como sempre, está no coração. A música, de fato, é algo bastante envolvente, e o fato de músicos que se intitulam cristãos sucumbirem à música mundana ocorre porque estes amam mais a música do que a Deus. Para eles, a música dá tanto prazer que, embora não glorifique a Deus, as suas carnes não conseguem resistir. São pouco, ou quase nada, conhecedores da Palavra de Deus, sempre utilizando máximas como “não julgueis” ou “Deus é que é o juiz”, ou ainda “não seja legalista” para justificarem suas práticas cheias de satisfação egocêntrica e mundana. Hipócritas! Não têm qualquer temor ou reverência a Deus.

Falsos cristãos, amantes de si mesmos, amigos do mundo e dos prazeres do mundo! Escarnecem do evangelho e do nome do Senhor Jesus, gerando escândalos e profanando o nome Santo do Senhor, dando mal testemunho e impedindo que o pecador caído se aproxime de Deus! Como a Palavra do Senhor assegura, serão responsabilizados: “E disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem! Melhor lhe fora que lhe pusessem ao pescoço uma mó de atafona, e fosse lançado ao mar, do que fazer tropeçar um destes pequenos.” Lc 17:1-2

Deus, segundo a Sua Santa Palavra, procura adoradores em Espírito e em verdade. Aqueles, porém, têm profanado o altar de Deus. Deus não habita em meio ao pecado e a Justiça de Deus não tardará em se cumprir.

Há quanto tempo você não vê um aleijado levantar de uma cadeira de rodas? Há quanto tempo você não vê um cego retomar a visão? Há quanto tempo você não vê um portador de AIDS ser curado? Se é que você viu um dia. Ora, Deus mudou? Decerto que não. Deus continua o mesmo. A verdade é que o povo de Deus, ao contrário do que havia na Igreja primitiva (E em toda alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. At 2:43), não há mais temor ao Senhor. Pessoas têm “saído” do mundo com seus vícios e desejos e não permitem que Deus as liberte. Então começam a subir nos púlpitos para cantar, mas com o coração na MPB, no funk e no pop rock. Não se engane, Jesus disse que onde estiver o seu coração, ali estará o seu tesouro.

A Palavra do Senhor nos garante que Deus não relativizou Sua Santidade. O que ocorreu é que Aquele que é Santo, Jesus Cristo, pagou o preço por todos que lhe têm como Senhor e Salvador. E nestes, habita o Espírito Santo de Deus. Ser templo de Deus significa ouvir a voz do Senhor e permitir que Ele nos transforme. Todavia, aqueles que não têm qualquer convencimento de seus pecados assim o estão por não ouvirem mais a voz do Senhor. Suas consciências estão cauterizadas e, como mortos, já não sentem a dor e a culpa pela prática do pecado. A ira de Deus continua existindo, e tem aumentado a cada dia, até que o cálice da ira de Deus transbordará!

Se você se diz crente em Jesus Cristo e não teve sua mente transformada, libertando-o de seus velhos prazeres, práticas e condutas, sinto lhe dizer que você precisa de conversão. Você pode até ainda não conseguir vencer suas lutas contra o pecado, mas o que não pode acontecer, de maneira nenhuma, é você conviver com o pecado achando que em Jesus você pode fazer o que quiser sem qualquer consequência. É a podridão do pecado não te incomodar mais. É você estar com sua mente cauterizada e dormente. É o mundanismo ser tratado como normal e o santo passar a se misturar com o profano.

O Apóstolo Paulo nos diz que, em Cristo temos nossa mente renovada: “E não vos conformeis com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. Rm 12:2. Este termo (renovação) no grego é metanoia, ou seja, completa transformação da mente em Cristo Jesus. Mas atente ao início do versículo: “E não vos conformeis com este mundo”. Conformar com este mundo é tomar a forma do mundo! Faça um exercício voltando ao exemplo no início desse artigo, e reflita: ao ver aquela cena, você diria que se tratavam de pessoas do mundo ou crentes em Jesus?

Ainda com relação à declaração do vocalista do Oficina G3, se ser bitolado é odiar o pecado e o modelo desse mundo, então eu sou sim bitolado, e graças a Deus por isso!

A Bíblia diz: “Apartai-vos de toda aparência do mal”. 1 Ts 5:22. Ora, só a aparência do mal já é algo pecaminoso!

Queridos, a música tem em si uma característica de adoração. Ela penetra no coração! O que tem entrado no seu coração? Você tem guardado seu coração a Deus? Se você ainda tem necessidade de viver as coisas outrora vividas, precisa permitir que Jesus o liberte completamente. Clame a ele e odeie o pecado!

Igreja, clamo com o mais profundo da minha alma: não relativize as verdades de Deus. Não perca tempo com o mundo, nem entregue seu coração àquilo que quer ocupar o lugar do Senhor! A sua comunhão com Deus e a sua eternidade são valiosas demais para serem arriscadas com algo que fará você se parecer com o mundo e com aqueles que escarnecem ao Senhor Jesus!

Apenas a título de exemplo, um dos maiores compositores de música clássica do séc. XIX, Richard Wagner, era satanista declarado, e muitos cristãos o ouvem, sem saber, até os dias de hoje. Cuidado com o que você ouve e adora! Não arrisque. Você tem muito a perder…

Por fim, não conheço um herói da fé que tenha tido profunda intimidade com Deus e tenha perdido tempo com a adoração e o padrão deste mundo!

Que nosso Senhor Jesus te abençoe grandemente e lhe discernimento espiritual para que você não seja enganado por este mundo caído.

Grande Abraço,

https://artigos.gospelprime.com.br/o-cristao-e-a-musica-mundana/

 

 

O cristão e a música mundana

Pílula, Lembra do que a Igreja dizia?

COMPORTAMENTO

Elas dizem não à pílula

Mais de meio século depois da revolução de comportamento promovida por este anticoncepcional, saiba por que cada vez mais mulheres estão optando por outros métodos não-hormonais para evitar a gravidez

Elas dizem não à pílula

“Depois de entender a ação da pílula no corpo e os riscos do hormônio e conhecer outras opções, não dá mais para voltar a tomar” Dandara Sanches, publicitária

Camila Brandalise e Ludmilla Amaral

10.02.17 - 18h00
32

“Decidi parar com o anticoncepcional, minha última pílula foi sexta-feira passada, estou com um pouco de medo dos efeitos que virão, mas estou feliz por estar me sentindo encorajada.”

“Parei de tomar porque estava aumentando minhas crises de pânico.”

“Tive uma trombose venosa profunda e tromboflebite. Precisei ser internada e tive que cortar o anticoncepcional. Alguém já passou por isso?”

Se entrasse hoje no Facebook e encontrasse o grupo de discussão com o nome de “Contracepção Não-Hormonal”, de onde as frases acima foram tiradas, a americana Margaret Sanger, ativista que impulsionou a criação da pílula anticoncepcional em 1960, ficaria estarrecida. A página tem mais de 120 mil mulheres que trocam informações sobre como lidam com a interrupção do uso de hormônios, os benefícios, os efeitos colaterais e os outros métodos que usam para evitar a gravidez. Há meio século imperando como tratamento mais difundido entre ginecologistas e pacientes, a pílula foi, como se sabe, revolucionária. Fez parte da liberação sexual feminina. Possibilitou que elas tomassem o controle do próprio corpo, planejassem quando gostariam de engravidar, levassem adiante outros projetos pessoais e profissionais antes de se tornarem mães. Agora, mais de meio século depois, muitas mulheres estão fazendo o caminho contrário. Por quê?

NOVA ONDA Movimentos feministas ganharam força no País e andam junto com as mudanças de mentalidade das brasileiras em relação ao corpo e à sexualidadeNOVA ONDA Movimentos feministas ganharam força no País e andam junto com as mudanças de mentalidade das brasileiras em relação ao corpo e à sexualidade

“Esse movimento de repensar métodos contraceptivos começou com a divulgação dos riscos de efeitos colaterais”, afirma a ginecologista Halana Faria, do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Histórias como a da professora de ensino fundamental Ilma Gomes, 40 anos, que investiu na pílula depois da primeira gravidez, mas parou de usá-la quando foi diagnosticada com um princípio de trombose por causa do remédio. “Minhas pernas começaram a inchar e sentia muitas dores, a pele estava rígida”, diz. Bastou parar de tomar os hormônios para o problema acabar. “Nós sempre achamos que a pílula é o método mais eficaz e que faz bem para o corpo da mulher. Resolvi insistir sem saber o que iria acontecer.” A falta de informação é um dos principais fatores que levaram ao momento atual, de questionamento. Ao perceberem que não têm noção nem são informadas sobre os riscos dos contraceptivos hormonais, as mulheres começaram e se perguntar, e a perguntar aos seus médicos, sobre o quão benéfico é seguir esse tipo de tratamento. Para Halana, elas têm tomado consciência sobre como são alijadas do direito de conhecer e decidir sobre o que é melhor para si. Veio daí o impulso para uma nova onda de mudança ligada à sexualidade feminina.

“É injusto que só a mulher seja responsabilizada pela proteção, já que ela e o homem estão envolvidos na relação sexual. Isso precisa ser discutido” Carmita Abdo, sexóloga“É injusto que só a mulher seja responsabilizada pela proteção, já que ela e o homem estão envolvidos na relação sexual. Isso precisa ser discutido” Carmita Abdo, sexóloga

A tendência caminha junto com a chamada “primavera feminista”, a nova etapa do movimento no Brasil que começou por volta de 2015 e tomou as ruas e as redes sociais em grandes mobilizações contra o machismo e pela manutenção da autonomia e dos direitos das mulheres. “Sou feminista e acredito que estamos vivendo uma nova revolução sexual. Procuramos saber, questionar e nos impor mais, inclusive cobrando direitos sexuais e reprodutivos”, afirma a estudante de nutrição Luana Moreira, 18 anos, a criadora da página do Facebook citada no começo desta reportagem e ela mesma uma ex-usuária da pílula. Para a psiquiatra e sexóloga Carmita Abdo, coordenadora do programa de estudos em sexualidade da Universidade de São Paulo (USP), as mulheres vivem um momento de repensar as próprias conquistas. “Há alguns anos, exigíamos poder trabalhar fora. Para as gerações passadas, era positivo ter uma carreira, cuidar da casa e da família. Hoje, muitas querem menos trabalho e mais tempo de licença-maternidade”, afirma. “As conquistas do século XX começam a ser revistas no século XXI, e isso também está acontecendo em relação aos métodos contraceptivos.”

Anticoncepcional masculino: novo produto é aprovado em teste inicial
Em uma nova tentativa de criar um contraceptivo masculino, pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram uma espécie de gel que bloqueia a passagem de espermatozóides pelo canal deferente, por onde passa o sêmen. O produto foi testado em 16 macacos que conviveram com fêmeas em período reprodutivo, sendo que sete deles ficaram alojados com elas continuamente por dois anos. O resultado foi positivo: não houve uma fecundação sequer. O estudo foi publicado na terça-feira 7 na revista “Basic and Clinical Andrology”. Nas conclusões, os estudiosos afirmam que as complicações foram poucas e similares com as associadas à vasectomia. Agora, as pesquisas deverão seguir para descobrir qual a possibilidade de reversão do tratamento. É um passo importante, não apenas para aumentar as opções de métodos contraceptivos, como também para tornar o homem tão responsável quanto a mulher para evitar uma gravidez.

DIVISÃO DE RESPONSABILIDADE
A publicitária Dandara de Carvalho Sanches, 25 anos, começou a usar anticoncepcional aos 16 anos e não tinha qualquer queixa. Até perceber que já não se sentia tão confortável. “Depois de anos usando hormônios, minha libido era zero e descobri que a pílula poderia ser o problema. No fim era mesmo.” Outras questões pesaram na decisão de abolir o remédio. Dandara acredita que sua geração foi incitada desde cedo a crer que a pílula era a única solução para evitar gravidez e que menstruar é ruim. Agora ela optou pela camisinha. Para Carmita Abdo, hoje a vida sexual da mulher tem maior rotatividade de parceiros e, portanto, é imperativo o uso do preservativo para prevenção de doenças. “Aí ela se pergunta: ‘Para que pílula?’. E decide então usar apenas um método.” Há, porém, o machismo incutido também nessa situação, como quando o homem se nega a usar o preservativo. “É injusto, já que ambos estão envolvidos, mas ela não pode abrir mão de se proteger.”

“Minhas pernas começaram a doer e a inchar. Era princípio de trombose por causa da pílula e parei de usá-la” Ilma Gomes, professora“Minhas pernas começaram a doer e a inchar. Era princípio de trombose por causa da pílula e parei de usá-la” Ilma Gomes, professora

Professora em Saúde Coletiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Eleonora Menicucci, ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, relembra o impacto do surgimento da pílula para sua geração. “Foi um alívio. As mulheres poderiam exercer a sexualidade sem o risco da gravidez”, diz. Houve, claro, uma revolução de costumes, mas que aos poucos passou a se tornar uma subordinação a um único método. “A dependência do anticoncepcional se tornou um paradigma, mas que agora está sendo quebrado. Muito mais pelas mulheres do que pelos médicos, aliás”, afirma. “Já fui em ginecologista dizendo que não queria mais tomar hormônio e saí do consultório com duas caixas de amostra, foi terrível”, diz Luana.

Presidente da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), César Eduardo Fernandes salienta que a questão precisa ser analisada com cautela. “A mulher pode tomar a decisão de não usar mais por questões não fundamentadas, porque tira a naturalidade, tira libido, mas será que isso é mais preconceito ou tem uma base científica?”, afirma. “Pode ser uma falta de compreensão do que está acontecendo. É bonito dizer ‘sou naturalista’, mas fazer uma casa não é natural e nem por isso as pessoas vão morar na caverna.” Ainda que gere polêmica, há um consenso em relação ao tema: é preciso dar à mulher mais opções e informações para que ela possa escolher o que fazer com seu próprio corpo.

Parar ou não parar?
As vantagens e desvantagens de deixar de tomar a pílula

• Deixar de usar hormônios sintéticos devolve à mulher a possibilidade de viver o ciclo reprodutivo naturalmente, reconhecer e entender as reações genuínas do corpo

• Sem a pílula, muitas relataram aumento do desejo sexual e fim de dores de cabeça causadas pelo uso do contraceptivo

• O uso contínuo aumenta o risco de problemas circulatórios graves, como trombose, ainda que a incidência seja considerada baixa (4 casos para cada 10 mil mulheres em um ano). Também pode ter relação com diabetes, adenoma hepático (tipo de tumor benigno do fígado) e alterações mamárias

Por outro lado…
• Ainda é um dos métodos contraceptivos mais baratos, práticos e eficazes, com índice de falha menor que 1% ao ano

• O uso contínuo pode regular a menstruação, diminuir cólicas e outros problemas associados à tensão pré-menstrual

• Também pode ser benéfico para mulheres com endometriose e síndrome dos ovários policísticos

 

http://istoe.com.br/elas-dizem-nao-pilula/

Pílula, Lembra do que a Igreja dizia?

Familia Plano Divino Para Reformar Geografias

Familia Plano Divino para Reformar Geografias

 

“E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.” (Gênesis 12:3)

INTRODUÇÃO
Não se começa um ano novo com atitudes velhas. O ano é igual para todos, mas nossas atitude fazem a diferença. Vamos ser diferentes em casa e seremos notáveis nas outras geografias.
Nada é mais sagrado do que a família, tudo que Deus criou tinha por trás um propósito. A família foi chamada para trazer a presença de Deus para a Terra. O lugar mais solene do Planeta é a nossa casa. Sem as famílias, a Terra perde o sentido e o Planeta morre, vira território de bicho. Precisamos nos alinhar com o propósito de Deus.
A família é um território sagrado, no qual podemos ver que Deus Se revela aos Seus filhos e Seus filhos se revelam a Deus. Há uma cumplicidade divina quando família e Criador interagem, porque além da presença do Senhor trazer paz, os milagres são consolidados. Uma família que possui a consciência do papel profético familiar nunca falta sobre ela a liberação do sobrenatural no seu território.
Quando o decreto vem: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra”, estamos falando do poder sobrenatural de uma promessa. A palavra é Baruch – abençoado, liberto, curado. Baruch é uma palavra completa, um plano divino para estabelecer o novo. O mesmo que começar, ou recriar, refazer, trazer a novidade.
Parece um exagero: “Todas as famílias da terra”. Não, não é hipérbole. É graça, é favor divino, é exatamente a provisão de Deus para abençoar, pois ninguém conseguirá prosperar e ter uma família equilibrada se não houver a bênção do Senhor.
Precisamos alinhar nosso pensamento com o plano divino, se quisermos ter êxito no nosso caminho familiar. Temos visto muitas famílias destroçadas, que precisam de auxílio, de um socorro imediato. Mas, existem outras apáticas, que acham que não precisam de ajuda, e cada dia estão mais complicadas nas suas jornadas de insucesso. O mais estarrecedor são famílias adoecidas, que colocam um rótulo de famílias saudáveis e estão plenamente confusas no plano principal.
Deus mentiu quando disse que todas as famílias seriam abençoadas? Não! Deus se equivocou quando disse que sua família seria abençoada? Não! O que há de errado, então? Vamos lá! Muita coisa se inseriu na cultura familiar, e, claro, corrompeu o plano original. Às vezes, estamos na Igreja para cumprirmos uma agenda e não um propósito. Por isso, durante a semana, o testemunho familiar fica comprometido. Não fazemos o básico e nos desalinhamos com a promessa.
O que fazer?
Essa é a pergunta chave, recheada do como fazer?! Estamos como loucos, andando sem direção, como se não tivéssemos bússola. Existe um Patriarca Perfeito. “Porque andam de um lado para outro, como loucos sem direção. Parem! Eu sou o Pai de vocês, diz o Senhor.” (Deuteronômio 32:6)
Jesus disse: “Observem esse povo, vive caminhando de uma lado para outro, como ovelha que não tem Pastor.” (Mateus 9:36). Ou seja, uma geração sem direção por falta de paternidade.
O que precisamos?

1. Voltar a crer
“Contudo se alguém não cuida dos seus, especialmente dos de sua própria família, este tem negado a fé e se tornou pior que um incrédulo” (I Timóteo 5:8)
Esse texto desincredulariza qualquer ser humano com temor à a Palavra. A exortação divina é de que muitos perderam a fé e ficaram piores que um mero incrédulo. Essa exortação é uma convocatória de retorno à fé no Reino e ao retorno à família.
A família precisa aquietar o coração. “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus.” (Salmos 46:10). Em outras palavras: “Até quando vocês vão coxear entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, servi-o.”  (I Reis 18:21). Essa inquietação no coração do povo pode levar uma geração a falência de fé; raízes de iniquidades podem se instalar no coração; incredulidade nascer como ribeiro de águas rotas, e a insensatez tomar conta da mente da família.
Existem famílias que não vivem mais um plano para se estabelecer propósitos; vivem como estranhos. Em 2017, vamos voltar a crer na promessa: “Sou abençoado! Minha família é abençoada”. Sua família foi gerada para esse propósito, então volte a crer na promessa: “Em ti serão abençoadas todas as famílias da terra.”
A promessa: “em ti”, está relacionada a àqueles que têm fé, aos que acreditam. Dentro da nossa casa existe sempre um guardião da fé, o detentor dos princípios, uma boca que não deixa silenciar o propósito. “Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo.” (Hebreus 1:1)
Sempre terá um filho repetindo as promessas do PAI. Vamos permitir que a Teologia de Jesus seja a âncora da nossa família. Voltemos a crer!
2. Voltar a viver o propósito central
Filhos voltem! Este tem sido o grito dos Céus: Voltem! Não são aqueles que estão longe, são os que congregam, mas estão com atitudes de ímpios. Voltar ao propósito é responsabilizar a fé e a chamada nEle. “Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas.” (Romanos 11:36)
“De fato, depois de afastar-me dos teus propósitos, eu me arrependi; depois que entendi os teus propósito, bati no meu peito. Estou envergonhado e humilhado porque trago sobre mim a vergonha da minha juventude.” (Jeremias 31:19 – Texto Transliterado). Quantas coisas acumuladas no nosso caráter, quantos vexames por vermos o tempo passar e não tomarmos posição. Desviamo-nos facilmente do propósito e nos tornamos distantes da promessa.
Você pode ter todos os planos e projetos para sua vida, mas o propósito central do Senhor trará a promessa que você e sua casa esperam. O caminho de Deus é o perfeito, o propósito do Eterno é fiel, para sua casa viver a plenitude jamais sonhada. “O caminho é perfeito; a palavra do Senhor é poder. Ele é arma e escudo para todos os que nele confiam.” (Salmos 18:30)
Você pode argumentar: Minha família está passando por problemas. Nada acontece! É como uma depressão crônica, nada prospera. A promessa diz: “Deus levanta da opressão o necessitado, para um lugar alto, e multiplica as famílias como rebanhos.” (Salmos 107:41)
A promessa é de que os filhos voltarão ao seu termo. Deixe-me dizer algo: Precisamos amadurecer, pois muitos, no Ano da Família, voltarão para suas geografias, do lugar de onde não deveriam ter saído. Lucas 15:19 se cumprirá, é a rota do gastador (o pródigo). E nós, como pais espirituais e irmãos mais velhos, precisamos nos preparar para o retorno de filhos legítimos. No Ano da Família veremos milagres do Reino sendo instalados na nossa casa.
“Por isso há esperança para o seu futuro”, declara o Senhor. “Seus filhos voltarão para os seus termos, voltarão para o território de onde saíram.” (Jeremias 31:17 – Texto Transliterado). O propósito central do Senhor não será anulado, porque alguns incredulizaram a promessa. Deus continua sendo Deus e o Seu foco é a família.
3. Voltar ao princípio original
Família abençoada! Minha casa é abençoada! Meu casamento é abençoado! Meus filhos são abençoados! Minha descendência é abençoada! Este ano em Jerusalém, Deus deu um GRITO: “Famílias, voltem para Meus princípios!” Os céus estão inquietos com a degradação familiar, são tantas culturas paralelas que a família corrompeu os princípios e há uma emergência divina em consertar isso.
“Minha Casa será chamada Casa de Oração para todos os povos da Terra.” (Mateus 21:13). Jesus comparou o Templo de Salomão como CASA? Porque somos uma família! É um lugar que se tem ordem familiar. Uma Igreja, Templo, não tem sentido se não tiver a família como propósito central. Para isso, a doutrina de Jesus precisa ser instalada.
O princípio foi quebrado. Precisamos voltar para restaurar nossa casa. Os lugares onde congregamos: seja trabalho, Células, Gerações de 12, Macro-células, Rede. Precisamos ter caráter de família. Caso contrário o princípio do Eterno não se consolida. “Somos uma família de muitos filhos na semelhança de Cristo Jesus”. Fazer dos ambientes que vivemos uma família é um grande milagre.
Não é fácil conviver em família, mas é o princípio que gera prosperidade. Não podemos fazer o que queremos ou pensamos, uma família saudável se move por princípios verdadeiros, e quando quebrados, entra brechas e o adversário ganha vantagem e maldição se instala.
Precisamos corrigir nossos hábitos e culturas pagãs que nós mesmos inserimos na nossa casa. Se eu fizesse uma pergunta básica: Quantos querem ver suas casas prosperando? Todos vão responder: EU! Bem, precisamos tirar os baalins, os ídolos, os argumentos, as maldições, como Josué fez. “Decidam hoje a quem vocês querem servir, quanto a mim já está decidido: Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” (Josué 24:15). Ninguém viverá plenamente a bênção com argumentos mundanos inseridos no caráter.
Conclusão
Baruch – Ser abençoado, ser completo. Esse é o decreto para todos: “Em ti serão abençoadas todas as famílias da terra.”. Minha família é abençoada! Qual o milagre que sua família precisa para viver essa plenitude da promessa? O que você colocaria hoje diante de Deus para que esse milagre se manifestasse?
Bem, decisões no presente definem futuro. Precisamos aprender a decidir em Deus e mantermos firmes a decisão ainda que o processo seja doloroso. “Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu.” (Hebreus 10:23)
Família, plano divino para reformar as geografias, esse é o nosso tema em 2017. Vamos nos apossar do nosso direito. Você é uma família abençoada! O ano não será diferente. Você será diferente, e, com certeza, tudo a sua volta ganhará mais vida. Todos querem um ano diferente, mas ficam mantendo as mesmas atitudes. Mudança de atitude gera novidades na nossa geografia.
Baruch – Ser abençoado completamente, essa é a promessa. Viveremos 365 dias debaixo de bênção que jamais sonhamos. Você crê?! Você recebe?! Então, você terá um novo ano, um ano feliz.
Feliz ano novo, família do avivamento!
Seja abençoado!
Sua família vai viver a bênção completa!
Feliz 2017!
Renê Terra Nova
Familia Plano Divino Para Reformar Geografias

Twitter