Reconhecendo Jesus como Rei 07/09/2022

 

Reconhecendo Jesus como Rei

João 19:01-16

Introdução :

Para os Cristãos nos dias atuais ao que parece não se tem como desafio reconhecer Jesus em vários aspectos tais como : Salvador, Libertador, Provedor, Cuidador, Médico, e muitos outros aspectos que estão ligados diretamente ao benefício humano e geralmente material ou emocional. Porém reconhecer Jesus como Rei tem se demonstrado o desafio da atualidade, isso se dá porque o reconhecimento da soberania de Cristo sobre nossa vida e o ambiente em torno dela implica em deveres, obrigações, renúncias que nem sempre o homem atual está disposto a pagar, principalmente no tocante a Lei do Rei.

Não existe Rei sem lei, ou Rei sem súditos, ou Rei sem reino. Paulo em um célebre momento define a soberania do Cristo assim : Rm 11:36 Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Ali Paulo mostra a centralidade de Cristo, ou seja tudo vem Dele, tudo é para Ele, o que engloba todas as áreas da vida e declara o período de vigência disso : Eternamente. Ou seja estamos diante de um Reinado além dos limites temporais conhecidos pelo homem. Se essa descrição do Apóstolo Paulo não se refere a um Deus Rei não sei o que é isso.

Muito se fala em Jesus como Rei, em cânticos e jargões, mas uma coisa é a letra e outra bem diferente é a vida da letra. É no momento em que somos chamados a viver o que sabemos e declaramos, que provamos da Vida da Letra. Isso fica evidenciado na experiência do Ap. Pedro durante as negações feitas por ele enquanto Jesus estava preso. LUCAS 22:57 Mas Pedro o negou, dizendo: Mulher, não o conheço. Momentos atrás Pedro havia dito que estava disposto a proteger Jesus a qualquer custo mas agora na hora de viver isso, disse que nem o conhecia.

É claro que Pedro não fez isso por acaso, ele julgou que morrer naquele momento por falar a verdade e por amar Jesus, seria um preço muito alto a ser pago por ele por isso resolveu mentir para escapar, muitos fazem isso pensando que agindo assim ficarão livres, escaparão, mas não! É justamente esta atitude que os escraviza e mata, com Jesus aprendemos a pensar como o Céu pensa e não como o Mundo terreno pensa, veja : MATEUS 10:39 Quem achar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á.

Como disse, reconhecer a Jesus como Rei não é uma tarefa fácil principalmente em nossos dias onde o homem está tão pregado a esse mundo como quanto Jesus estava pregado aquela cruz, mas há aqueles que fazem desse desafio a tarefa de suas vidas e estão dispostos a morrer se for preciso para não abandonar seu Rei, que esses sejamos nós. Sirva o Rei acima de tudo, pergunte a você mesmo para quem você vive? A quem você pertence? Qual lei você obedece? Se meu Rei está em guerra eu estou lutando ao seu lado?

Essas respostas ajudarão você na descoberta de quem lhe governa de verdade, e de que lado você está quando a guerra vem, quem é seu Rei, qual é seu Reino, e qual é a Lei do Rei.

Michael Wilcock, um estudioso da Bíblia, observa no estudo que fez desse texto (Lucas 06:20-22 e Lucas 06:24-26) que, na vida do povo de Deus, haverá uma incrível inversão de valores: “Os cristãos valorizarão o que o mundo considera insignificante e suspeitarão daquilo que o mundo considerar desejável”.2 As coisas que o mundo coloca no fim da lista estão no topo da lista do reino de Deus. E as coisas tidas como suspeitas aos olhos do reino de Deus são valorizadas pelo reino deste mundo. O que está no topo da lista do reino deste mundo? Poder e dinheiro (“vós que sois ricos”), sucesso e reconhecimento (“quando todos vos elogiarem”). Mas o que está no topo da lista do reino de Deus? Fragilidade e pobreza (“vós, os pobres”), sofrimento e rejeição (“quando os homens vos odiarem”). A lista do reino de Deus é invertida.

A CRUZ DO REI por Timothy Keller – pg 263

A lista de Deus talvez não esteja invertida como disse o colega, o mundo é que inverteu a lista, com todas as devidas vênias.


1- “ Nosso Rei é Cesar”

João 19:15 Mas eles clamaram: Tira-o! tira-o! crucifica-o! Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso rei? responderam, os principais sacerdotes: Não temos rei, senão César.

Talvez não haja outra afirmação mais dura do que essa durante o processo de julgamento de Jesus, foi o momento exato em que a Igreja daquele momento não apenas o rejeita, mas também o substitui.

Vemos aqui o quanto a Igreja pode ficar alienada do seu Rei, a ponto de não o reconhece-lo mesmo quando aqueles que não tinham a obrigação de fazer isso, o fizeram vemos isso nas palavras de Pilatos : “Vosso Rei”.

Não podemos negar que vários são os fatores que cegaram nossos irmãos daquela época, tanto Judeus como convertidos, mas o fato é que nada justifica o Crente abandonar seu Rei.

1.1) Jesus é Rei?

a) Jesus tinha o direito ao trono por descendência Divina ( Mt 03:17 e 17:05 )

No primeiro texto temos a voz do Pai reconhecendo a filiação de Cristo, ou seja, Jesus tinha um Pai e este era Deus. Deus sendo Rei e Jesus sendo seu filho faz com que tenha direito ao trono celestial. No segundo texto não apenas vemos o Pai reconhecendo o Filho como acrescenta uma ordem : “Obedeçam a Ele”.

Isso mostra que Jesus era o Rei que o povo esperava, porém Ele não veio do jeito que eles queriam, e não fez o que eles queriam, eles queriam um Rei que pudessem controlar, e Jesus não se deixava manipular.

b) Direito ao trono por descendência humana. ( Mt 01:01 e Lc 01:27 )

Mateus deixa claro que Jesus era descendente direto do Rei Davi e por isso tinha todo o direito ao trono de Jerusalém, Jesus era da família Real por isso Herodes queria matá-lo ainda quando era criança, por que ele mesmo Herodes não tinha sangue real, mas era alguém que havia sido posto no trono por César para poder exercer manipulação sobre o povo de Israel.

No texto de lucas 01:27 vemos que o pai terreno de Jesus que tinha por nome José, também era descendente de Davi o Rei, isso também dava a Jesus direito de ter tratamento diferenciado por ser da linhagem real. Tratamento esse que foi negligenciado até durante seu julgamento que deveria ter sido diferente devido sua linhagem, não se julga um rei assim.

c) Jesus tem o direito ao Trono a destra do Pai, porque conquistou este direito na Cruz do Calvário ao comprar para Deus seu povo. Filipenses 02:05-11

A ênfase aqui está no verso 09,10,11 veja : “Soberanamente”, “Acima de todo o nome”, “Joelhos se dobrem”, e ainda deixa claro a extensão do Reino de Cristo : “ No céu, na terra, e em baixo da terra”.

Isso põe em cheque aqueles que defendem a separação do governo dos homens e o governo de Deus, afinal é inegável a existência do governo dos homens mas também fica bem claro que para nós Cristãos que o governo dos homens está na terra, e a terra faz parte da jurisdição do Governo de Cristo, logo o governo dos homens deve obediência ao governo de Cristo.

Talvez aqui resida um dos maiores desafios em reconhecer Jesus como Rei para algumas pessoas, e isso se dá porque nem todos aceitam o fato de que Deus está acima de todos e seu Filho reina Soberanamente sobre os homens querendo eles ou não. Lembre-se que o Nome Dele está acima de todos os nomes, Lembre-se que Para Ele são todas as coisas, Lembre-se que até os demônios obedecem o Nome Dele, Lembre-se que importa antes obedecer a Deus, tudo isso nos faz ver que a Igreja tem um Rei e com Ele reina mas não espere que as trevas aceitem isso pacificamente, e que os homens que se beneficiam do poder para escravizar aceitaram a soberania de Cristo sem a contestar e se puderem escolherão a Cesar ou a Barrabás, tudo isso para evitar se subordinarem ao Rei dos Reis e Senhor dos Senhores e a sua Lei. ( Rm 11:36, Mc 16:17, At 05:29, Sl 24:01)

Vejamos como Abraão lidou com situação parecida :


Os dois reis representam dois tipos diferentes de reinado. O rei de Sodoma representa a ideia de adquirir bens e governar pela força, ou seja, os mais fortes mandam. Essa é o modelo normal de monarquia em Canaã: um monarca absoluto usa sua posição para se engrandecer. Melquisedeque, rei de Salém, representa outro tipo de reinado. Reconhece um Deus supremo Criador/Proprietário de todas as coisas. Por isso, todo governo deve reconhecer a soberania do Deus Altíssimo e deve considerar que todos os bens são dádiva dele. O governante é servo do Deus Altíssimo; seu reinado se baseia na adoração a esse Deus. Abrão tem três atitudes: (1) reconhece que o Deus Altíssimo é Yahweh, (2) entrega seu dízimo a Melquisedeque e (3) se recusa a aceitar do rei de Sodoma bens que lhe pertencem por direito como espólios de guerra. Em outras palavras, ele se identifica com o governo de sacerdote-rei que Melquisedeque representa. Desse modo, Abrão assume o papel de sacerdote-rei dado originariamente a Adão e, agora, a ele. ( Sobre Gn 14:18-24 )


Reino de Deus através das Alianças de Deus pg  145   Peter g. Centry & Stephen j. Wellum

 

1.2) O Direito do Rei

Não entender ou não aceitar o direito do Rei é não aceitar o próprio Rei.

Os Cristãos que não seguem a lei do Rei, ou a seguem parcialmente são ilegais, as vezes seguir os princípios morais estabelecidos pelo Rei nos posiciona contra o mundo e seu sistema de governo, mas isso não acontece naturalmente isso é fruto de um estratégia de guerra utilizada pelo reino das trevas, e não podemos negar sua existência e resistência.

O que precisamos entender é que não podemos seguir a Jesus apenas no que é fácil, e isso exige fé confiança ousadia amor honra e um coração entregue ao Senhor.

Se Jesus é o Soberano de sua vida, você é inimigo do reino das trevas porém se você não tem Jesus como Soberano você é inimigo do Reino de Deus, o que você escolhe?

MATEUS 5: 37 Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não; pois o que passa daí, vem do Maligno.

DEUTERONÔMIO 11:26 Vede que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição

JOÃO 14:30 Já não falarei muito convosco, porque vem o príncipe deste mundo, e ele nada tem em mim;

Quem é o seu Rei? Ele decide sobre sua vida aqui e no porvir.

Deus os abençoe.

Ap. Emerson Casburgo

 

Twitter